Seguidores

sábado, 1 de fevereiro de 2014

MATA-ME DE AMOR, ALÍCIA

 (glosa)
Vem correndo trazer teu amor pra mim
Anjo malvado de pecado e de malícia.
Vem voraz, explícita, venenosa...
Mata-me de amor, Alícia!
  
Sou mais um tolo a beber o teu veneno,
A dar a vida pra provar esta delícia.
Não me importo se morrer nos braços teus...
Mata-me de amor, Alícia!

Seria irônico morrer dessa maneira,
Em condição, para a vida, tão propícia,
Mas que se dane a vida e todo o resto.
Mata-me de amor, Alícia!

Brincadeirinha!!! Teu amor me faz viver.
Quem morreria a ganhar tua carícia?
Chega de estória, vamos ao que interessa:
Mata-me de amor, Alícia!

9 comentários:

  1. Morrer de amor seria viver eternamente minha querida poeta e amiga..Lindas letras ...

    Cristal

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Marcos
    Morrer de amor é viver eternamente nos braços da paixão. Lindos versos amigo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema! Cadenciado, bem escrito e deveras lírico. Amei!

    ResponderExcluir
  4. Lindo poema.
    Obrigada por compartilhar.
    abraços

    ResponderExcluir
  5. Lindos e instigantes versos, poema irretocável.

    Abçs!

    ResponderExcluir
  6. Tenho o enorme prazer em convidar a todos vocês blogueiros para a votação do top Blogueiro na Ilha da Lindalva e sua presença dará um brilho especial a essa interação blogueira, cujo o verdadeiro sentido é não deixar fenecer a blogosfera. Conheçam todos os blogs participantes antes de votarem.
    O meu blog tbm esta participando entre outros. Mas convido a todos a entrar e interagir com todos os blogs, e votarem no que mais lhes agradarem...e não na amizade.Fiquem a vontade.
    Conto com a colaboração de todos vcs amigos blogueiros.
    http://anos-da-ilha.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Meu amigo
    Um grande romantico!
    Morrer de amor!!!
    Um belo poema,sempre actual!
    Parabens.
    Um abraço
    Beatriz

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde
    Passei para te desejar: Paz e Saúde.
    Um abraço, do tamanho do BRAZIL.

    ResponderExcluir
  9. Marcos, postei um excerto deste teu poema no face, dando os devidos créditos, é claro...
    Um abraço!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário é o combustível da minha inspiração