Seguidores

sábado, 13 de abril de 2013

EX-PARAÍSO


Parece que o homem não pensa,
Já virou doença
Sua hipocrisia.
Entregue ao maldito dinheiro,
O cruel desordeiro
Só faz covardia.

Alguns gritando pelo pão,
Enquanto a ambição
Domina grande parte...
Já querem ser iguais a Deus,
Pois, os inventos seus
São pra chegar a Marte.

Tudo o que o homem faz
É correndo atrás
Da sua ambição,
Não pensa no menor carente,
Só planta a semente
Da destruição.

Brindando a dor do semelhante,
Cruel e constante,
Não quer nem saber.
Enquanto uns acumulam milhões,
Grandes multidões
Não têm o que comer.

Vivemos num grande dilema
E o maior problema
É a impunidade...
Passar fome ninguém aguenta,
A miséria aumenta
A criminalidade.

O grande age impunemente,
(Enganar a gente
Já é profissão)
Quando um pobre rouba pra comer
Tem que apodrecer
No fundo da prisão.

Depois, um grande vem dizer:
―Ele só vai aprender
Debaixo da borracha!
Não têm provas que ele é bandido,
Mas será punido
Porque o rico acha.

Na mesa do pobre a decepção:
O arroz com feijão
Cada vez mais escasso.
Cada vez mais, na lama, se atola,
Pois, pedir esmola
É seu próximo passo.

Produzem tantos cereais...
(Muitas vezes mais
O que o país consome).
Na rua, sem ter esperanças,
Eu vejo crianças
Morrendo de fome.

Muitos falam em inferno,
Mas, o fogo eterno
Está aqui na terra...
Enquanto eu semeio amor,
O homem sem valor
Só semeia guerra.

Poluem nossa água doce,
Como se não fosse
Um bem da humanidade,
Enquanto os rios padecem,
Vilarejos crescem
E viram cidades.

Nossas matas, pouco a pouco, somem,
Parece que o homem
Não tem mais juízo...
Com tantos meios descobertos,
Vai virar deserto
Nosso paraíso.

Este poema faz parte do meu livro "A natureza pede socorro".

10 comentários:

  1. Amigo Marcos!
    Tenho te visitado sempre,e cada vez mais, admiro teu trabalho.
    Abraços
    sinval

    ResponderExcluir
  2. Um desfile de verdades tu colocastes em teu excelente poema, proclamando o grito de todos nós.
    Abração.

    ResponderExcluir
  3. Palavras verdadeiras, quem dera o mundo não fosse uma busca excessiva pelo lucro e que o homem não determinasse a vida como uma oportunidade de juntar riquezas e só...
    Um abraço, lindas palavras.

    ResponderExcluir
  4. Olá!!
    Quer ganhar $$$$ com seu BLOG trabalhando 1h por dia?
    Voce não precisa vender nada e nem indicar pessoas.

    Acesse: http://ganhosweb.com

    ResponderExcluir
  5. ARRASOU meu querido amigo, com essa poesia protesto, fepleta de verdades doídas e vergonhosas. Bjus e lindo domingo.
    => Gritos da alma
    => Meus contos
    => Só quadras

    ResponderExcluir
  6. Doloridas verdades escancaradas num excelente cordel!
    Você como ninguém sabe falar de coisas reais que maltratam a nossa tão querida terra, em rimas, nos proporcionando prazer na leitura!
    Um abraço.
    Bom domingo.
    Até amanhã.
    Ivany

    ResponderExcluir
  7. Ola, um bom domingo a você.
    Belo texto, realista nas problematicas.
    Tentei copiar o banner do seu concurso e fazer uma postagem lá em minha página a fim de te ajudar a divulgar mas nao conseguir. Te mandei a poesia, pelo email, mas nao recebi confirmação de recebimento.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde, Marcos. Você escreveu com perfeição as desigualdades entre as classes sociais, o que acontece na nossa Sociedade tão hipócrita, que vê as riquezas naturais serem destruídas, a morte se alastrando e a vida ainda mais se degradando.
    Uma pena!
    O homem pensa em seus anseios gananciosos.
    O bom homem padece, e será assim sempre!
    Tenha uma semana de paz!
    Beijos na alma!

    ResponderExcluir
  9. Verdades que dói na alma, de quem a tem.

    Bjo amigo Marcos

    ResponderExcluir
  10. Bom dia, Marcos. Enviei um e-mail pra te perguntar se recebeu o meu poema e as fotos direitinho.
    Pedi que respondesse por e-mail, como ainda não o fez, não sei se recebeu.
    Tenha uma semana de paz!
    Beijos na alma e fique com Deus.

    ResponderExcluir

Seu comentário é o combustível da minha inspiração